5.8.11

A tourada

por Tiago Jokura
É um espetáculo sangrento em que um toureiro enfrenta, quase sempre até a morte, um touro selvagem dentro de uma arena. A fiesta nacional da Espanha tem origem em caçadas a touros que rolavam já no século 3 a.C. No fim do século 18 - quando assumiu seu formato atual -, a distração já havia caído definitivamente no gosto popular. Hoje, as mais de 550 arenas espanholas empregam cerca de 200 mil pessoas, movimentando mais de 4,4 bilhões de reais por ano. Além da Espanha, as touradas são disputadas em países como México, Peru e Colômbia. Na maioria das nações, contudo, elas são proibidas por causa da crueldade a que os animais são submetidos. No Brasil, festas como a Vaquejada e a Farra do Boi - hoje proibida - também judiam dos bichos. Para entidades protetoras dos animais, o "espetáculo" não passa de mera carnificina: elas estimam que, por ano, nada menos que 250 mil touros sejam sacrificados no mundo sob aplausos de uma plateia. :
LUTA DESIGUAL
O toureiro e seus ajudantes formam uma cuadrilla para matar o touro
No 1º terço do espetáculo (tercio de varas), o touro selvagem, com idade entre 4 e 6 anos, e mais de 460 kg, é solto na arena - de raça feroz, é treinado à risca pra briga. O toureiro, ou matador, faz movimentos com o capote - capa vermelha de forro amarelo - para atiçar a fera. Como só vê preto e branco, o que a incita são os volteios da capa.
O touro é conduzido até um dos dois picadores, cavaleiros com lanças que ferem o bicho para ir minando sua força. A ponta da lança, em forma de T, limita a profundidade das picadas. Os cavalos são vendados - para não se assustarem com o touro - e cobertos com uma lona grossa para protegê-los das chifradas.
Depois que o touro foi enfraquecido com pelo menos duas estocadas, começa o tercio de banderillas. É quando os banderilleros entram em cena, cravando três pares de estacas coloridas, com ponta de arpão, no pescoço do bicho. O objetivo é deixar a fera ainda mais furiosa para o desfecho da peleja.
Na parte final (tercio de muerte), o matador usa uma pequena capa, empunhada com uma das mãos, para realizar a faena, driblando o animal bem de perto e perigosamente - chifradas na virilha, axilas, pescoço e tórax não são raras, e podem ser fatais. Nesta hora, quando o toureiro exibe sua habilidade, é que a torcida grita "olé!"
O matador recebe uma espadona de aço de quase 1 m para liquidar a fatura. Com a capa rente ao chão, ele vai colocando o bicho na posição ideal para o bote: de cabeça baixa e patas dianteiras juntas. Com isso, ressalta a área logo acima do pescoço, onde será dado o golpe fatal - se a estocada atingir a aorta (o que nem sempre acontece), a morte é instantânea.
A luta toda dura em média 20 minutos. Se o desempenho do toureiro for excepcional, ele recebe o prêmio máximo - as duas orelhas e o rabo da fera, cortados na hora -, além de sair da arena nos ombros da galera. Quanto ao touro, sua carcaça é arrastada para fora da arena e sua carne é vendida aos açougues locais.

3 comentários:

  1. isso e orrivel sou totalmenta contra isso!! e errado ppa que judiar do touro assim!nao tem o que fazer pega outra coisa pra se divertir pra que usar animal eu em mais um motivo de nao gostar dos costumes da espanha

    ResponderExcluir
  2. A tourada é um festa bonita e violenta onde se prova a bravura do toureiro perante uma fera selvagem se o povo gosta esta bem.

    ResponderExcluir
  3. A tourada é um festa bonita e violenta onde se prova a bravura do toureiro perante uma fera selvagem se o povo gosta esta bem.

    ResponderExcluir