10.11.10

Poliamor

O poliamor é um movimento que surgiu na década de oitenta nos Estados Unidos, com sua primeira conferência internacional sendo realizada em 2005, em Hamburgo - Alemanha.
Ao contrário da monogamia romântica, tal movimento acredita que é mais feliz, saudável e natural que as pessoas amem e sejam amadas por mais de uma pessoa ao mesmo tempo. Diferentemente do amor livre, este tipo de relacionamento dá mais ênfase à amizade e ao companheirismo, e não somente ou necessariamente ao sexo; não incitando relações promíscuas. Assim, defendem a possibilidade de envolvimentos responsáveis, profundos e até mesmo duradouros com dois ou mais parceiros, simultaneamente.
Considerando que uma só pessoa não tem capacidade de complementar a outra em todos os aspectos, e tampouco suprir todas as suas necessidades, os poliamoristas acreditam que seu modo de vida bloqueia aquela busca constante e obsessiva de se encontrar alguém perfeito, reconhecendo as limitações do outro - sendo, portanto, mais sensíveis aos defeitos e diferenças dos parceiros. Além disso, veem que o poliamor rompe aquele medo da solidão, abandono e traição que, segundo eles, é típico de relações monogâmicas.

Desta forma, argumentam que sua ótica permite com que os parceiros amorosos sejam mais honestos entre si, sendo a fidelidade encarada como sinônimo de confiança mútua.

Mas... e o ciúme?

Os adeptos do poliamor afirmam que esta prática bloqueia o ciúme possessivo, já que muito deste é consequência do medo de ser substituído por outro alguém e, consequentemente, abandonado. Assim, este sentimento é driblado com a adoção da “compersion”: termo relacionado à felicidade de se saber que o ser amado é amado por mais alguém.

Por Mariana Araguaia - Graduada em Biologia

2 comentários:

  1. acho que pode ser uma das saidas para a longevidade dos relacionamentos baseado na confiança e amizade, desde que sincera, pois na maioria não são e sim supostamente aparentam.

    ResponderExcluir
  2. Sensacional. Acho que hoje, mais doque nunca, as pessoas começam a entender e aceitar as diferenças e estilo de vida de cada um. Acho horrível pensar que infelizmente ainda existe homofobicos, racistas, ou qualquer outro grupo descriminatorio em nosso país. A propria religião que deveria ensinar o amor e respeito ao próximo, muitas vzs incita ao preconceito. Acho q estamos em uma ascendente melhora, mas ainda há muito a fazer para acabar com essa falta de amor que muitos ainda insisten em pratocar.

    ResponderExcluir