15.3.10

Gula:Deus vem para jantar

Quando Deus colocou a gula entre os 7 pecados capitais, já tinha idéia do estrago que a comida pode fazer entre os cristãos.
texto: Ana Freitas

Quando Deus colocou a gula entre os 7 pecados capitais, já tinha idéia do estrago que a comida pode fazer entre os cristãos. Primeiro, todos os problemas humanos começaram com uma mordida de nada numa maçã. Desde esse deslize, a comida é motivo para proibições, jejuns e vigílias. Mas, como mostra o livro Os Segredos da Cozinha do Vaticano, nem por isso os padres e as freiras deixaram de criar delícias gastronômicas. Algumas são tão maravilhosas que nem o papa tem força contra elas, sendo obrigado a permiti-las. E outras podem ter feito muita gente vender a alma ou mudar de religião. Como diz uma frase famosa entre os sacerdotes, “o toucinho e o presunto converteram mais judeus em cristãos que a Santa Inquisição”.

Santas delícias

Tempura
Esse prato japonês é, na verdade, europeu e católico. O nome vem de in tempore quaresmae, “em tempo de Quaresma”. As freiras inventaram uma fritura com vegetais empanados para quando não podiam comer carne. No século 16, o quitute viajou com os jesuítas ao Oriente. Depois, voltou à Espanha com as irmãs clarissas.

Café
O café virou moda no Vaticano no século 17. Mas havia um probleminha: a bebida vinha dos muçulmanos, o que lhe dava um ar de sacrilégio. Para acabar com a questão, o papa Clemente 8º interveio. Sentenciou que uma bebida tão boa não podia ser de uso exclusivo dos não-cristãos – ele próprio não vivia sem café.

Chocolate
Surgiu graças a freiras do convento de Oaxaca, no México, que modificaram um estranho prato asteca – uma mistura líquida de cacau com pimenta. Levado à Espanha em 1520, o chocolate chegou a ser proibido por ser bom demais. Mas o papa Clemente 7º absolveu a delícia: ela era útil para “mitigar as privações das vigílias”.

Azeite de oliva
Na Idade Média, dizia-se que pelo cheiro do ensopado era possível saber a religião da casa. É que árabes e judeus, que não podiam comer carne ou gordura de porco, usavam óleos vegetais, como o azeite de oliva. A gordura de porco era prova de cristandade da casa– por isso, o azeite de oliva demorou a se incorporar à cozinha católica.

Um comentário: