13.7.10

Todo dia é dia de rock

Há exatos 25 anos, o rock mundial pegou em armas contra a fome. Não foram usadas bazucas ou metralhadoras, mas guitarras, baixos e baterias: era o festival Live Aid, organizado pelo cantor e ativista Bob Geldof – o personagem Pink do filme The Wall – para arrecadar fundos destinados aos famintos na Etiópia. Dividido entre palcos nos estádios Wembley, em Londres, e JFK, na Filadélfia, o evento reuniu um batalhão de estrelas – entre elas, Paul McCartney, Madonna, David Bowie, Queen, U2 e um Led Zeppelin reunido para a ocasião – a banda havia sido dissolvida cinco anos antes, com a morte do baterista John Bonham. Desde então, o 13 de julho é lembrado como o Dia Mundial do Rock.Foi, de fato, uma data em que o rock encarnou uma de suas principais características – a inconformidade com o status quo. Parece uma boa escolha, na medida em que é praticamente impossível definir uma data para o nascimento do rock’n’roll: uns dizem que é o compacto Rocket 88, de Jackie Brenston, lançado em 1951 e regravado por Ike Turner (mais famoso como descobridor e marido de Tina Turner) no mesmo ano. Outros preferem Rock Around the Clock, cover gravado por Bill Haley em 1954. Há também os fãs incondicionais de That’s All Right, Mama, primeiro compacto de Elvis, também de 1954. Essa é daquelas histórias que não pode ser resumida em uma única data, ou em três acordes, por isso todo dia é dia de Rock!!!

6 comentários:

  1. Rock não se ouve, se sente!!! Viva ao bom e velho Rock’n’roll!!! [2]
    Já cap-tirei a imagem do Homer pra mim!

    ResponderExcluir
  2. Ja Diria a velha canção, O PUNK ROCK NÃO MORREU!

    www.ahistoriacomoelafoi.zip.net

    ResponderExcluir
  3. Viva ao Eterno Rock! Rs

    Beijinhos, adorei!!!

    ---
    www.jehjeh.com

    ResponderExcluir